Wednesday, April 23, 2014

Utopia

Sempre tive oito anos e meio em um canto da minha memória, e nela, ainda hei de ter não mais que dezesseis. A vida toda. Á partir disso, continuará descortinando travessuras de uma vida flutuante, entre aqui e ali, entre o acaso e o limiar. Nada do que eu escrevo, ou quero escrever vem de mim, sai do amago, esse mesmo amago não sou eu, é talvez alguém o qual eu queira ser e nunca seja. Utopia minha. Ele.