Sunday, December 28, 2014

Quietos

O Sol mais uma vez mostrou apenas um de seus olhos, brilhante e imponente, em uma tarde dessas onde os sonhos segregados afloram, pedem para transpor-se do peito. Quietos. 
Estávamos lá, debaixo de árvores frondosas e imensas, os galhos pendiam como ondas que se quebram na areia. As folhas largas e secas, caídas, amassadas por passos imaginários de quem por ali teve o prazer em passar. Senti-las em sombra e sol. Debruçadas. O pôr do sol foi registrado diante de olhos atentos. “Letônia”, um filme lembrado de décadas atrás. Tarde com aquele alguém o qual contempla com o mínimo de seus detalhes; alguns nem mesmo aos olhos são perceptíveis, só podem ser sentidos. Sedentos por detalhes transparentes aos demais, os quais se dissipam dando
lugar a novas particularidades. Por fim, um abraço naquelas árvores; a descoberta que as nuvens têm tons multicores, ainda fazem desenhos indecifráveis, por minutos lembram almofadas onde anjos
se deitam a espreitar o brilho da lua no alto. Tudo faz com que o dia transforme-se quando cultivado
atentamente, de minuto a minuto, de hora em hora, de segundo a segundo. 

 Ele.

Cetim



Contemplaremos nosso silenciar, como quem contempla r a garoa fina e calma.

Ele.

Sunday, December 14, 2014

Giz



Quando a noite se estende como pluma celestial em chão de giz; os olhos atravessam o céu.
Em montanhas debruçadas ele descobre formas: Olhos, lábios, pálpebras... 
Cravou-se no varal das incertezas. 
 Debruçou-se em línguas infalíveis. 
Denunciado foi no branco dos olhos. 

 Ele.

Thursday, December 11, 2014

Fôlego

Acredita que um beijo pode tirar o fôlego? Gostava de perder o fôlego assim.. 

Ele.