Thursday, October 28, 2010

Amigos

Os grandes amigos não se fazem apenas de presença física, mas sim de entrega, de entrega em espirito-alma.
Todos são passiveis de erros.
Alguns amigos são como geleiras, com o tempo e acometidos por um sol escaldante, derretem.
Somem.
São apenas amigos de gelo.
Já alguns amigos, mesmo passíveis de erros, perduram, pois, esse mesmo sol os alimenta.
Alimentando-nos juntos.
O mundo precisa de mais amigos.
Amigos na verdadeira acepção da palavra.


Eu.

Saturday, October 09, 2010

A Janela e a Persiana

Do alto daquela janela é possível perceber os transeuntes que passam na avenida movimentada, acometidos pelo tempo e hora, a pontualidade que a todos consome é nítida como as nuvens em tom cinza que circundam o céu rebuscado.
Daquela janela ainda restam resquícios de pingos de chuva, que passou logo pela manhã, com pó acumulado, do lado de fora, borrou o vidro.
Deixou o clima frio e aconchegante, aqueceu seus pés.
Com meia e sapato descolorido.
Esse clima tardiamente invernal traz consigo sutilezas, apegos e liberdade assistida.
A Insistente idéia de “nadar contra a maré” não foi abandonada, apenas repensada, trilhar novos caminhos não significa necessariamente abandonar os já trilhados, o suor têm seu preço e a recompensa é duradoura.
Recuar alguns passos para futuramente andar vários.
Adiante, pode ser uma lógica.
Seus olhos estão direcionados para a subjetividade, a concretude de existências pode ser pura utopia, ou não, o caminho a percorrer é a meta.
A relação com seus pares, essa em determinados momentos, torna-se difusa, sempre foi, sempre será, talvez esse não seja o aspecto a ser ressaltado, mas sim sua absorção e relação com o meio.
Alguns padrões nasceram prontos, outros devem ser relativizados, desconstruidos, (re)feitos.
A janela angular tem extrema proximidade com aquela persiana, a qual cobre seus olhos em dias e noites de apreciação, o ato de “afrontá-la”, para que a possibilidade do vislumbramento exista em um mundo de possibilidades, com suas mesmices, fugas e audácia.
Proporciona a recusa em optar apenas por meios lícitos com os quais a maioria pensa e sonha em seguir, tudo não passa de uma opção barata.
“A verdadeira” opção cerca-se de abstração do meio, improvável para muitos, opção para poucos, esse limiar é cinza e azul, como os dias que se observa por detrás daquela persiana, a janela é apenas o ponto de partida, à ação é o impulso dos olhos, o que captar?
Por quê?
Abstrair-se ou não?
As respostas estão na retina dos olhos, na racionalização de si mesmo, tarefa árdua e complexa.
Naquele dia, racionalizou e apenas decidiu mudar o ângulo de visão, abrir à persiana e perceber que ainda escorriam pingos de chuva na janela.

Eu.