Monday, September 24, 2007

Luz

...ontem e hoje talvez no amanhã, só há um desejo único em mim...
Que a doçura e suavidade abriguem-se, definitivamente, que raiva e rancor sejam sementes ébrias de jardins de poesia e luz.



Eu.

Sunday, September 23, 2007

Ébrio

No "Ontem" e "Hoje" talvez no amanhã, só há um desejo único nesse meu Eu.
Que doçura e suavidade abriguem-se em mim...que raiva e rancor sejam sementes ébrias de jardins de poesia e luz...


Eu.

Saturday, September 22, 2007

Toca (me)

Apenas toca-me, de leve e sem medo, depois, como fazem os pássaros que voam de árvores imensas, volta em revoada e leva-me contigo...
Leva-me e não traz de volta.


Eu.

Monday, September 17, 2007

Trilho (s)

...adorava ficar próximo aos trilhos do trêm, ele passava de hora em hora, contava os vagões. Passavam tão rápido...
Tinha toda certeza que voaria sem asas, ainda tenho...

Quando escrevo a mão livre, prefiro o lápis.
Às vezes dois olhos é pouco para captar "tudo" ao redor.
Contenho-me.
Nunca deixo de ouvir a canção que mais gosto por três ou até quatro vezes, é assim com o poema recitado.


Eu.

Sunday, September 16, 2007

...

A singular doçura das palavras tecidas à lápis cor de carvão, "deunuciadas" em papel de seda branca, fazem dos dias algo divinamente iluminado, como um coração em desatino...
Iluminemos então nossos dias mesmo sem luz.


Eu.


Monday, September 10, 2007

Palavra (s)

A singular doçura das palavras tecidas à lápis cor carvão, fazem com que nossos dias palpitem, mais e mais, como um coração em desatino...


Eu.

Saturday, September 01, 2007

Nada de novo

Não há mais nada de "novo" no novo, pois, tudo não passa de uma recriação "nova" do velho.


Eu.