Wednesday, August 24, 2011

A falta de liberdade não consiste jamais em estar segregado, e sim em estar em promiscuidade, pois o suplício inenarrável é não se poder estar sozinho.


Fiodor Dostoievski

Wednesday, August 17, 2011

Andar-me (ei)

Andar, andar, e apenas andar-me, sem nada, no vazio das horas
Flores na porta dos sonhos, sem cores
Molduras ofuscadas, vivenciadas.
Vidas, amores...

Desliza sobre o ventre da noite
Miudezas de um dia caustico
Na simetria da aurora rachada
Embalo-me, sou sonho senil...

Dessa quimera translúcida, o porvir afoga
Os campos, esses fartos de grãos...
Ensejos, bocejos, seria delírio matinal?
Que seja.


Eu.

Tuesday, August 09, 2011

(...) Apenas depois da chuva.

Abriram-se cortinas em tom rosa

Aponta pela fresta um olho de sol

Desabrocham lábios em nuvens lilases

Brilham no espelho meus cabelos de areia



Eu.

Anjos Medievais

Anjos que se sentam sozinhos em pedra de mármore gelado.
Da noite se fez dia, do dia se fez noite.
Agora recolhem as asas após vôo assombrado.
Só os lábios denunciam...
Desses olhares de cera que atravessam as paredes erguidas com braços de ferro.
Só a solidão ausenta-se.


Eu.