Monday, March 05, 2007

1º DE MAIO

Andar, andar, e apenas andar-me sem nada, no vazio das horas...
Flores na porta dos sonhos, sem cores!
Molduras ofuscadas, vivenciadas.
Vidas, amores...

Desliza sobre o ventre da noite
Miudezas de um dia caustico
Na simetria da aurora rachada
Embalo-me sou sonho senil...

Dessa quimera translúcida, o porvir afoga!
Os campos, esses fartos de grãos.
Ensejos, bocejos, seria delírio matinal?
Que seja.

No comments: