Wednesday, July 21, 2010

Poesia feita na palma das mãos

Pintei o chão com giz em brasa
Gelo nos lábios
Agora, só a chuva apaga.
Cachoeira sem queda
Carvão na linha dos olhos
Umedecidos pela chuva
Abrem-se os poros
Abraços desmedidos, retorcidos!

Fugazes lembranças
Ardem os olhos
Lembra aqueles dias de criança?
Dádiva de um anjo azul...
Nuvens em forma de almofadas
Atenho-me nas quimeras
Continuo a voar, agora sem asas...

Eu.

No comments: