Saturday, July 31, 2010

Pela manhã (Garota com sabor de cravo nos lábios )

As nuvens lá fora estão distantes, muito distantes, o sol aponta no céu.
Esses dias sempre nos oferecem possibilidades até então impossíveis, nesses últimos dias, aqui nessa região, captar o céu em seu estado puro, totalmente azul, aquele azul dos sonhos, lindo, poucas nuvens suspensas ao longe, lembram almofadas de algodão, aquela vontade que vêm de sentar-se. Eu sempre me repito, mas qual beleza única e pura não deverá ser relembrada e sentida? Poucas são as pessoas que “cultuam” olhar o céu e contempla-lo, poucas, talvez haja uma explicação concreta para isso, esse tempo voraz que a todos consome que há todos acorrenta. Confesso, é preciso “fugir” desse estado de putrefação da sensibilidade, esse estado que todos têm, mas poucas percebem. Quebrar as “regras” da mesmice não é nada fácil, aliás, poucos conseguem faze-lo, se tornou um desafio nos dias atuais, fazer cada dia valer mais e mais, dedicar um sorriso ao desconhecido, um abraço a alguém o qual não se vê há tempos, amenidades as quais fazem extrema diferença no especo que nos separa, eu e você, no especo que separa todos de todos. Sentar-se na calçada e observar o movimento cadenciado das formigas me parece algo interessante, haja vista o que nos cerca lá fora, não abro mão disso, jamais. As borboletas e suas multicores, silhuetas ainda continuam sendo um dos grandes “vícios” aos meus olhos, assim como as pálpebras assistidas em corredores e vielas. Continuo seguindo o caminho que às vezes me parece mais ingrime, mas não há volta ele é único e certeiro é o caminho das flores e espinhos é o caminho do amor e do ódio da paz e da guerra, da felicidade ou tristeza, tudo depende como andarmos nele.
Nós o fazemos, talvez em parte, mas o fazemos...
Como o tempo muda, rápido assim, já não esta mais aquele céu azul, agora um tom cinzento tomou conta de tudo atrás da janela.
Mesmo assim ainda é passível da mesma contemplação.

De todas as lembranças; cravou-se em mim a saudável/saudade de seus olhos, lábios e pálpebras.
Essa realidade pura e insana por vezes é insuportavelmente sem sabor.
Nada somos/seriamos sem os sonhos...
Espero por você entre linhas e o espaço superficial que nos separa, espero por você.


Eu.

No comments: